Qual a diferença entre ter ou não o PIX?

Quais sistemas de pagamentos inovadores você deve conhecer ainda este ano
14 de dezembro de 2020
Quais os sistemas de pagamentos que podem revolucionar o mercado
31 de dezembro de 2020

Qual a diferença entre ter ou não o PIX?

Você já conhece o PIX? A nova modalidade financeira, implementada em novembro de 2020, trouxe uma série de dúvidas para os usuários, de maneira que entender melhor sobre o assunto é importante para decidir desfrutar ou não desse recurso. 

Os serviços bancários estão sempre sendo atualizados, o que faz com que surjam novas modalidades envolvendo transações financeiras constantemente. 

Quem tem conta aberta em banco ou cadastro em plataformas de pagamento sabe que é indispensável contar com elas para a realização de diferentes atividades, como o pagamento de contas por meio virtual ou para fazer uma transferência de valores. 

Até mesmo quem faz uma compra online de rótulos personalizados pode optar por fazer a quitação do pedido com uma dessas modalidades financeiras, tornando o processo muito mais rápido e eficaz. 

Cada uma das transações bancárias oferecidas possui as suas características, o que faz com que elas sejam utilizadas conforme a necessidade do cliente. 

O Pix surgiu nesse cenário para suprir novas demandas em termos de pagamento, agilizando processos e facilitando o uso dessa modalidade para diferentes finalidades. 

Se você já ouviu falar do Pix, mas ainda não sabe quais as diferenças dele para outros procedimentos bancários, do que ele se trata e se vale a pena ter o seu, este conteúdo pode ajudar a solucionar essas dúvidas. 

Por isso, siga na leitura deste artigo e entenda melhor o que é o Pix e como ele pode ser útil para a sua rotina financeira, por meio de perguntas e respostas sobre essa nova funcionalidade financeira. 

O que é o Pix?

Tal como um sistema de gestão empresarial, o Pix surgiu como um meio de pagamento para facilitar a quitação de contas, a transferência de valores, o recolhimento de impostos e vários outros procedimentos financeiros. 

Ele possui características próprias, o que o torna uma alternativa bastante atrativa para os usuários. Entre elas, é possível mencionar:

  • Uso gratuito;
  • Agilidade na transferência;
  • Disponível 24 horas por dia;
  • Cadastramento de chaves;
  • Sistema seguro.

O uso do Pix é gratuito para a maior parte dos usuários. Pessoas físicas e MEIs (Microempreendedores Individuais) terão isenção de taxas, e as empresas maiores que quiserem utilizá-lo poderão pagar valores mais econômicos que os de outros serviços. 

Outro grande benefício do Pix é a sua agilidade: as transferências são feitas em até 10 segundos, e não estão restritas aos horários habituais de outros procedimentos bancários, podendo ser realizadas depois do horário comercial e durante os finais de semana. 

Para utilizar o Pix, o usuário precisa fazer o cadastramento e pode incluir até cinco chaves, que podem ser o número do CPF, telefone, e-mail ou uma combinação aleatória de números. 

Vale mencionar também que o sistema utilizado para realizar um pagamento ou transferência via Pix é a Rede do Sistema Financeiro Nacional, que conta com recursos de proteção atualizados.

Assim, quem tinha dúvida sobre realizar o pagamento de um lote de camisetas promocionais utilizando esse sistema pode realizar a transação com facilidade, otimizando o tempo de compra do seu produto. 

Tudo isso faz com que o Pix seja visto com bons olhos, e com que cada vez mais pessoas passem a querer utilizá-lo, tanto pela sua praticidade quanto pela agilidade que ele promove. 

Como o Pix foi criado e o que mudou por causa dele?

O Pix foi desenvolvido pelo Banco Central, com o intuito de facilitar e otimizar as transações bancárias. Por ter sido criado dessa forma, ele não está diretamente ligado a uma instituição financeira. 

Nesse caso, um usuário não precisa ter uma conta bancária convencional, podendo utilizar de outros meios para realizar pagamentos diversos. 

Assim, além das instituições bancárias já conhecidas, os usuários de bancos digitais, das plataformas de pagamentos, e de outros tipos de estabelecimentos como as fintechs, podem realizar as transações financeiras por meio das plataformas. 

Nesse sentido, quem precisa realizar uma transferência para pagar um serviço de  avaliação de perfil comportamental, por exemplo, pode usar qualquer uma das opções mencionadas acima, bastando para isso ter a chave Pix do recebedor. 

Os pagamentos presenciais também podem ser feitos por Pix, tanto pelas chaves oferecidas por quem vai receber o valor quanto pelo QR code disponibilizado na loja. 

Em termos gerais, as mudanças trazidas pelo Pix não causam confusão aos usuários, uma vez que o sistema foi criado para ser simples e intuitivo. Além disso, ele pode ser acessado por meio do sistema bancário, facilitando ainda mais o uso. 

O que mais poderá ser sentido pelos usuários é a redução com custos bancários, graças à gratuidade do Pix. A rapidez no processamento da transferência também é outro benefício encontrado. 

Com isso, uma empresa de monitoramento que foi contratada pelo cliente em caráter emergencial pode receber o seu pagamento o quanto antes, mesmo que essa solicitação tenha sido feita durante um feriado, por exemplo. 

Como ficam os outros serviços bancários?

As transferências bancárias sempre foram realizadas por meio do DOC (Documento de Ordem de Crédito) e da TED (Transferência Eletrônica Disponível).

O DOC é uma transação que possui a limitação de transferir até R$ 4.999,99 para outra conta ou instituição, e só é creditada no próximo dia útil da data em que ele foi realizado. 

Já com a TED, o valor pode ser creditado no mesmo dia, desde que efetuado até às 17 horas daquela data. É a opção utilizada para quem precisa transferir valores maiores do que R$ 5.000, mas também pode ser feito para quantias menores. 

Para que possam ser realizadas, o pagador precisa ter em mãos todos os dados do recebedor, como CPF/CNPJ, número da agência bancária e dados da conta. Sem eles, a transação não é realizada. 

Com o Pix, o processo é simplificado. Para pagar a contabilidade após a realização de um serviço de abertura de empresa simples, o cliente só precisará escanear o QR code do estabelecimento ou solicitar uma chave, quitando o valor em poucos segundos. 

Mesmo com essas diferenças, vale dizer que os serviços de DOC e TED continuaram funcionando normalmente, o que significa que o cliente terá mais uma opção para decidir com qual meio quer pagar as suas contas. 

Pix: ter ou não ter?

Depois de conhecer um pouco mais sobre o Pix, as características dele e a diferença para outros serviços bancários, é possível chegar a uma conclusão sobre usar ou não esse novo recurso. 

A primeira consideração deve ser as possibilidades que ele oferece. O Pix não se trata apenas de fazer transferências bancárias, indo além e oferecendo mais possibilidades. 

O pagamento de impostos, da compra presencial de uma placa de sinalização de segurança, ou de recolher impostos faz com que ele otimize uma série de ações, o que o torna uma opção completa para quem possui demandas mensais como as mencionadas. 

Além disso, quem é correntista de grandes instituições bancárias sabe que elas cobram tarifas sobre os serviços realizados. Nesse sentido, quem realiza várias transferências dentro de um período pode acabar excedendo o pacote contratado.

Isso quer dizer que terá que arcar com os custos extras de cada transação, o que encarece ainda mais a utilização dessas ações financeiras. 

Com o Pix, não há limites nesse sentido, e não são cobradas taxas, mesmo que a transferência de valor seja feita entre contas de diferentes bancos. 

Por isso, o Pix se destaca como uma maneira interessante de fazer qualquer tipo de pagamento sem que isso gere encargos para o usuário. 

Outro ponto relevante é que o cliente não está limitado aos horários praticados pela instituição bancária. Sendo assim, quem deseja comprar uma catraca para controle de acesso pode fazê-la em qualquer dia e hora.

Ao mesmo tempo, o Pix diminui o tempo em que uma transferência pode ser realizada, simplificando o processo por não exigir dados bancários ou documentos pessoais do recebedor. 

Dessa forma, dispensa uma grande quantidade de informações, facilitando qualquer pagamento que se deseja realizar. 

Depois de conhecer todas essas ponderações, é possível dizer que o uso do Pix pode se tornar indispensável na vida de muitas pessoas, otimizando o tempo que precisa ser empregado para resolver pendências financeiras e garantir a segurança dessas ações. 

Mesmo que ainda seja necessário realizar outros tipos de procedimentos bancários, o Pix se torna mais uma opção para o cliente, e permite que ele tenha maior autonomia e controle sobre o que deseja fazer ao pagar as suas contas. 

Sendo assim, conhecer o Pix e passar a utilizá-lo se torna mais um recurso financeiro que otimiza pagamentos e aquece o mercado financeiro, tornando-o cada vez mais completo para o público em geral. 

Portanto, não deixe de conhecer o Pix mais de perto, e tenha a experiência de contar com recursos cada vez mais modernos e seguros para gerenciar as suas demandas financeiras. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *