Saiba como otimizar seu sistema de e-commerce

Por que aderir ao B2B no seu empreendimento?
5 de junho de 2019
Como aumentar as vendas na indústria com um marketplace B2B
12 de setembro de 2019

Saiba como otimizar seu sistema de e-commerce

Saiba-como-otimizar-seu-sistema-de-e-commerce-

A modalidade de compras feitas totalmente através da internet vem crescendo de uma maneira acentuada nos dias atuais. Tanto isso é verdade que, no Brasil, o e-commerce cresceu em uma porcentagem de 12% em 2018, chegando a faturar cerca de 54 bilhões de reais.

Esse crescimento justifica-se pela ampliação do acesso das pessoas à internet e a dispositivos móveis como celulares, tablets e notebooks. Além disso, esses novos consumidores estão perdendo o medo de realizar compras online, fato que altera completamente a dinâmica do mercado comercial do mundo inteiro.

Nesse sentido, o texto abaixo irá abordar o conceito de e-commerce, quais as vantagens de um, suas aplicações, entre outras informações importantes.

A definição de e-commerce

O e-commerce é um termo proveniente do inglês e que significa “comércio eletrônico” na língua portuguesa. Trata-se da plataforma de uma empresa para que sejam feitas compras online através da internet. Assim, vários tipos de produtos podem ser comercializados, desde calçados, jogos e roupas até itens mais robustos, como um painel elétrico industrial.

Todavia, é importante frisar que o conceito de e-commerce vem sendo utilizado muitas vezes de maneira equivocada. Isso porque, muitas pessoas qualificam como e-commerce assuntos relacionados à comércio virtual, tais como marketplace, lojas virtuais, entre outros.

Portanto, algo só pode ser considerado um e-commerce caso ele seja criado por uma determinada empresa a qual venda produtos unicamente dela. Assim, por exemplo, um e-commerce que comercializa camisetas precisa vender apenas os seus produtos, como uma camiseta poliamida masculina.

O e-commerce, além disso tudo, é uma plataforma que permite o cumprimento de todas as etapas de uma compra exclusivamente por meio da internet. Isso quer dizer que, dentro de um e-commerce, uma pessoa interessada pode acessar ao site, escolher o produto desejado, realizar o pagamento e pronto.

A partir dessa parte, dependendo do tipo de e-commerce trabalhado, o produto será enviado pela empresa responsável e entregue por uma transportadora. A forma de entrega irá depender, basicamente, do formato, peso e tamanho do produto comercializado.

Ou seja, as entregas precisam se adaptar aos diversos tipos de produtos, já que nem sempre uma empresa que vende caixa de elástico para touca, por exemplo, pode transportar produtos de maneira igual a fornos industriais.

Benefícios de se ter um e-commerce

O e-commerce só está crescendo da maneira que está nos dias atuais por causa dos seus inúmeros benefícios oferecidos tanto para vendedores quanto para consumidores. Entre o principal deles, podemos citar o fato de que um e-commerce não exige todos os cuidados que uma loja física possui.

Por exemplo, ter um estabelecimento comercial significa que o espaço precisa estar sempre arrumado e limpo, possuir uma segurança dos seus produtos, contratar funcionários para diversos serviços dentro do estabelecimento, além de todos os encargos burocráticos que são aplicados aos empreendedores quando estes abrem um negócio.

Como o e-commerce é totalmente virtual, as únicas estruturas que ele pode ter são escritórios para cuidar da logística da entrega dos produtos, um setor de atendimento ao cliente e um estoque para o armazenamento de produto. Todavia, outras vantagens podem ser citadas, tais como:

  • O e-commerce pode ficar aberto a qualquer hora;
  • Ofertas, promoções e vales de desconto conseguem atrair mais clientes;
  • As compras ocorrem de maneira cômoda e rápida;
  • A comunicação empresa-consumidor é mais direta e fluida;
  • Os produtos podem ser expostos de um jeito organizado;
  • É possível anexar descrições dos produtos;
  • A abertura de um e-commerce é menos custoso;
  • O percurso do cliente pela compra é facilmente visualizável;
  • Estratégias digitais podem ser usadas para conquistar clientes;
  • A internet melhora o alcance das vendas;
  • Um e-commerce pode vender para praticamente qualquer lugar.

Modalidades de e-commerce existentes

Os e-commerces podem ser divididos em quatro tipos principais: o e-commerce B2B, B2C, C2B, C2C.

Apesar dessas grandes variações parecerem um pouco confusas, o conceito que engloba cada tipo de e-commerce é bastante simples.

O e-commerce B2B (Business to Business)

Esse e-commerce pode ser traduzido como “empresa para empresa”. Tal nome decorre do fato de que essa modalidade de comércio eletrônico ocorre entre duas empresas. Assim, destacam-se alguns produtos como maquinários, matérias-primas, entre outros itens utilizados pelas empresas tanto para revenda quanto para a produção de outros produtos.

Isso ocorre com empresas que vendem desinfetante, por exemplo, as quais compram de outras empresas uma essência para desinfetante, um item essencial para essa produção.

O e-commerce B2C (Business to Consumer)

O business to constumer, também conhecido como “empresa para consumidor”, refere-se ao e-commerce responsável por vender produtos diretamente para o consumidor final. Isso quer dizer que firmas que vendem cadeira esteirinha Charles Eames, por exemplo, são consideradas como B2C, já que disponibiliza produtos para consumidores que os utilizarão para o seu benefício próprio.

Esse é considerado o formato mais tradicional de e-commerce encontrado na atualidade. Dentre dele podem existir os tipos de e-commerce que são totalmente online. Ou seja, esses e-commerce não vendem produtos físicos, mas sim digitais, como é o caso de e-books, jogos, apostilas de estudo, cursos, entre outros produtos. Assim, todo o processo de compra, desde a escolha do produto até a entrega deste, ocorre de maneira completamente digital.

O e-commerce C2C (Consumer to consumer)

Esse tipo de e-commerce, pautada na venda de produtos de “consumidores para consumidores”, consiste no comércio online feito entre dois ou mais consumidores. Isso costuma ocorrer bastante quando pessoas querem se livrar de produtos comprados anteriormente, mas que não estão mais sendo utilizados.

Para isso, existe uma série de plataformas que permitem uma troca rápida e prática entre dois consumidores. Além disso, muitos usuários da internet utilizam essa forma de e-commerce para comercializar os seus próprios produtos, como é o caso, por exemplo, de programadores caseiros que vendem um simulador fliperama na internet para outros consumidores adquirirem.

O e-commerce C2B (Consumer to Business)

Por último, existe o e-commerce do tipo C2B, ou, em outras palavras, “consumidor para empresas”. Esse negócio refere-se a um tipo de e-commerce mais recente e menos recorrente dentro da internet. Isso porque o C2B consiste na troca de valores de um consumidor para empresas.

Além de todos tipos de e-commerce citados acima, existe, também, outras modalidades de comércio pautadas em uma estratégia mais recente, conhecida como dropshipping. Este é o termo utilizado para qualificar uma certa dinâmica na área dos e-commerces a qual se resume em realizar uma venda diretamente entre o fornecedor e o consumidor.

Isso significa que, ao invés de uma compra passar por uma empresa que revende um determinado produto, este é comprado pela empresa que fez a venda e enviada diretamente ao comprador. Assim, evita-se a necessidade de uma empresa gastar dinheiro em estocagem de produtos.

Esse método de realizar negócios pode ser interessante para firmas que vendem grandes itens, visto que eles exigem uma estocagem em locais maiores, como é o caso de uma empresa que venda roda para empilhadeira, por exemplo.

A importância das estratégias de e-commerce

As estratégias que podem ser aplicadas dentro de um e-commerce são várias. Elas consistem em ampliar o alcance do e-commerce dentro da internet, consequentemente aumentando os lucros das empresas. Além disso, essas estratégias servem para estabelecer metas, determinar prazos, entre outras ações necessárias para o funcionamento de um comércio.

Por essa razão, algumas questões devem ser colocadas em discussão pela empresa, tais como:

  • Qual será a estratégia de marketing digital utilizada?
  • Como ocorrerá a segmentação do público-alvo?
  • Quais inovações podem impulsionar as vendas?
  • Como será desenvolvido o funil de vendas da empresa?
  • Quais serão as táticas e as campanhas de marketing utilizadas?
  • Qual será o valor investido e retornos de tais ações?
  • Quem desenvolverá as estratégias?
  • Quais são as melhorias nos processos que podem ocorrer?

Todas essas perguntas colocadas à tona precisam ser respondidas de modo a gerar um funil de vendas. Ou seja, todos gatilhos e etapas utilizados para planejar e estruturar o processo de compra de um cliente.

Dessa maneira, uma loja de carimbo para joias, por exemplo, pode criar estratégias para levar uma pessoa desconhecida a se tornar um consumidor potencial (conhecido como lead) e, posteriormente, um comprador.

Com isso, tendo em vista as informações abordadas acima no decorrer do texto, observa-se que administrar um e-commerce pode ser uma tarefa um tanto complexa. Contudo, um bom planejamento de vendas permite que uma empresa adquira grande destaque dentro da internet por meio das principais estratégias de marketing digital.

Assim, escolhendo o seu segmento de atuação e o seu público desejado, um e-commerce consegue se destacar perante os seus concorrentes, adquirindo uma importância cada vez maior dentro de uma sociedade tão envolvida em tecnologia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *